2ª Feira de Saúde no Conjunto Penal de Itabuna realiza 316 atendimentos médicos

Saúde

A 2ª Edição da Feira de Saúde do Conjunto Penal de Itabuna (CPI) realizou 316 atendimentos, nessa segunda-feira (10), em diversas especialidades como clínica-geral, ginecologia, ortopedia, psiquiatria etc. A Feira de Saúde foi promovida pela empresa Socializa Brasil, que faz a administração do Conjunto Penal em regime de cogestão com o Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap).

De acordo com o diretor do CPI, capitão PM Adriano Jácome, a feira foi um grande sucesso não apenas pelos números alcançados mas pela mensagem que ações como essa passam para os internos e para a sociedade. “Com a colaboração da nossa equipe, o esforço da empresa Socializa e a parceria de diversos profissionais da saúde e ONGs, foi possível mostrar a todos que o Estado não se preocupa apenas em punir quem tenha cometido algum delito. A privação de liberdade é apenas um dos processos na tentativa de recuperação do indivíduo apenado. O que se busca é ainda mais que a ressocialização, ou seja, a reintegração de cada um desses reeducandos à sociedade, de maneira digna”, afirmou o diretor.

Além desses, também dentro da programação da feira, serão realizados, nas próximas quarta e quinta-feiras (12 e 13), mais 40 atendimentos, já agendados, perfazendo um total de 356 consultas e procedimentos.

Entre os atendimentos realizados nas diversas especialidades, a clínica-geral foi a mais procurada, com 113 consultas. Em seguida, os testes rápidos para detecção de HIV/Sífilis somaram 85 (em duas modalidades, sangue e fluído oral); nutrição foram 17; fisioterapia 13; psiquiatria 11; ginecologia 10; e ortopedia 5.

Ainda foram realizadas oficinas com o grupo de prevenção ao câncer de mama "Se Toque" com 42 internas e de Pilates com outras 20.Ainda estão programadas outras consultas com urulogista (20) e angiologista (20).

Além dos stands médicos, foi instalado um anexo da farmácia do Conjunto Penal para fornecer medicamentos para todos os internos que receberam prescrições de substâncias para o tratamento. Os exames solicitados serão realizados nas redes pública e conveniada nos próximos dias.